quinta-feira, maio 08, 2008

Reticências



As notas dos teus passos

A cor da tua voz


Em sintonia escrita

Voam fumos de vidas que podiam acontecer


Sonhos perdidos que se cantam

Vozes de sereias adormecidas

Voos de pássaros

Nuvens que se prendem ao Sol


Vidas que se agarram a momentos

Passados inertes

Passados pesados

Passados caducados que vivem o presente como se de hoje se tratasse


Amor ancorado em mágoas

Pura Poesia a tragédia da vida

Puro Amor em laços sem nós


Lágrimas

Olhos transparentes de dor


Lógicas que se tentam juntar

Não há amor que não se faça tragédia

Não há tragédia que não faça crescer Amor


Estou sozinha? Estou em mim?


Possivelmente nunca estive em ti.

3 comentários:

Sandra disse...

Minha querida...
sonha-se tanto... faz-se por vezes tão pouco. Mas é o sonho que nos faz lutar e acreditar.
Não desistas de acreditar.
Nem sempre o amor está ligado à tragédia... só é preciso fluir mais e ser mais feliz no agora.
Mil beijos!

Neptuna disse...

mil beijos para ti também!
Saudades.. o café não está esquecido.. e o copo de vinho também não!

1 disse...

gostei das tuas palavras e voltarei para o que der e vier.